Se calhar...


Se calhar és tu, quem eu tenho procurado este tempo todo...
Se calhar estavas mesmo ao meu lado, e nunca reparei em ti...
Se calhar andava de olhos fechados e só vi aquilo que não era importante...
Tenho tanto medo de te magoar! Tenho tanto medo de não agir correctamente contigo! Tremo só de pensar que possas sofrer por minha causa, acho que não aguentaria!

És como o Seth, não te posso ver, mas sei que estás comigo!
Vejo muita luz em ti!

Comentários

Sofia Cunha disse…
Olá Tânia!

Decidi aceitar o conselho de um Amigo e visitar o teu espaço.

Desculpa invadir, assim, desta forma inocente, o teu cantinho mas, e muito provavelmente, se tivesse encontrado este blog perdido pelos imensos caminhos internetianos, de certo optaria por deixar uma marca, sinal da minha passagem por aqui. Porque digo isto? É simples: ninguém fica indiferente a tão “fortes” palavras. E digo “fortes palavras” no sentido de elas me mostrarem talvez uma parte da tua personalidade. Talvez seja uma forma de viveres na tua vida e assim te sentires bem contigo mesma. Diria que em vários dos textos que nos apresentas aqui, tu consegues mostrar isso: a força que tens e demonstras perante as situações vividas e talvez esperando um futuro que se antecede e que talvez possas prever. Considero interessante esta forma de viver! É uma maneira de nos mostrarmos e sentirmos que aquilo que temos, fazemos nos é Muito Verdadeiro.
Podia deixar uma marquinha em cada pedacinho do teu espaço mas, prefiro mostrar-te, aqui neste, aquilo que senti ao ler vários dos textos do teu cantinho. Diria que 3 palavras o definem: Vivacidade, pela forma como usas e jogas com as palavras, demonstrando o teu âmago e força que tens no confronto com a vida e as situações relacionais. Dor, mas talvez uma dor ultrapassável, pela forma como recorres à admissão da mesma. É uma dor que demonstras querer ultrapassar, lutando e fazendo dela algo mais diminuto e que possa, em parte, extinguir-se. Por fim, Frontalidade, pela maneira de te expores, quereres e sentires. Gosto de ver uma escrita assim. Penso que demonstra parte da personalidade que se encontra por trás destas palavras e que é o mentor das mesmas. Para mim, a Frontalidade, ainda que controlada, é uma forma de vida que muito aprecio.

Parabéns pelas palavras e o desejo de que continues a viver e lutar de forma a que possas poder dizer sempre que conseguiste!
Desejo que este “Tu" a quem te referes neste post em particular, te ajude na decifração daquilo que queres para Ti e para a Tua vida! Que se torne a espécie de Anjo que sentimos e queremos sempre ter!

Luta pelos teus sonhos e não deixes que eles se desfaçam! Acredita… eles são parte do Ser! A concretização dos mesmos é algo que se pode sempre tornar possível. Eu acredito que a chave para tal seja a nossa mesma crença!

Desculpa, mais uma vez, esta invasão.

Bons momentos de reflexão!
Boa Sorte!

Sofia.
Gonçalo disse…
Em primeiro lugar deixa-me concordar com todas as palavras da Sofia, o comentário dela foi magnífico e disse muito do que me transmites também.
Quanto ao teu texto, fico feliz por estas palavras, por mim e por ti, e não sei o que procuras mas gostaria muito de te oferecer o que precisas, espero estar à altura para corresponder às tuas expectativas, ignorando o medo. Medo principalmente de te fazer sofrer, de te criar falsas ilusões sobre mim e depois saires defraudada, não tremo como tu mas sinto esse receio e farei tudo o que estiver ao meu alcance para o teu BEM.
Acredito que não vou sofrer contigo, para isso só peço a tua amizade e tudo o que a envolve, e assim não há medo para sofrer, e caso haja sofrimento não tremas por mim porque no fundo sou um optimista e de certeza que retirarei uma lição positiva do sofrimento. mas não penses mais no medo, sê feliz e não controles a tua vida por um miserável medo...
Um beijo grande para ti e fica em paz:)

P.S.:
Se calhar sou eu que não vou conseguir ver "A Cidade dos Anjos", o filme que tenho procurado este tempo todo...
Não sei como é o Seth, não o consegui ver ainda, mas sei que estou contigo:)
Gonçalo disse…
Dúvida desfeita, não sou eu! Talvez seja melhor assim, tenho de crescer com tudo isto e pensar no melhor para mim, porque eu preciso de ser ainda melhor! O que falta? Não sei, mas gostaria de saber... Beijinhos e fica em paz.

Mensagens populares deste blogue

A Carta

Canção Simples - Tiago Bettencourt

Calma